Arsenal avaliado em R$ 1,8 milhão, com 26 fuzis e outras armas, é apreendido no Grajaú, Rio

Por Felipe Freire, Henrique Coelho e Nicolás Satriano, g1 Rio

 


Arsenal avaliado em R$ 1,8 milhão, com 26 fuzis e outras armas, é apreendido no Grajaú, Rio

00:00/03:34

Arsenal avaliado em R$ 1,8 milhão, com 26 fuzis e outras armas, é apreendido no Grajaú, Rio

Uma operação conjunta da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) apreendeu 26 fuzis em uma casa no Grajaú, Zona Norte do Rio, na tarde desta terça-feira (25). Veja o vídeo acima.

 

Segundo o MP, a casa pertence a Vitor Furtado Rebollal Lopes, conhecido como Bala 40. No local os agentes encontraram fuzis AR15 e 556, três carabinas, 21 pistolas, dois revólveres, uma espingarda calibre 12, um rifle e um mosquetão, fora caixas de munições para fuzil.

Todo o material é avaliado em R$ 1,8 milhão.

Colecionador

 

Polícia Civil apreende 26 fuzis na Zona Norte do Rio

00:00/00:42

Polícia Civil apreende 26 fuzis na Zona Norte do Rio

Os investigadores apontam que Vitor fazia uso do certificado de colecionador de armas para comprar o material em lojas legalizadas e, depois, revender para bandidos, principalmente traficantes da facção criminosa Comando Vermelho.

A ação desta terça tinha como objetivo cumprir 20 mandados de prisão e de busca e apreensão contra um grupo criminoso denunciado por associação para o tráfico de drogas.

Balanço do que foi apreendido:

  • 26 fuzis
  • 03 carabinas
  • 21 pistolas
  • 02 revólveres
  • 01 espingarda calibre 12
  • 01 rifle 22
  • 01 mosquetão

 

Participaram da operação a Delegacia de Repressão a Entorpecente (DRE) e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP, que também contaram com o apoio da Delegacia Especializada em Armas e Munições (Desarme).

Os passos da investigação

 

A casa de Vitor Furtado, onde as armas foram apreendidas, fica ao lado de uma creche no Grajaú. Segundo as investigações, os fuzis apreendidos seriam entregues ao Comando Vermelho.

“Essa ação é fruto de um trabalho de investigação em conjunto com o Gaeco, desde 2018. Desde então, algumas prisões já foram feitas. A operação de hoje é um grande golpe na facção Comando Vermelho. Os responsáveis por todo esse armamento já foram presos”, afirmou o delegado e diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada, Felipe Curi.

 

Delegado Felipe Curi (centro) explicando início da investigação  — Foto: Reprodução/TV Globo

Delegado Felipe Curi (centro) explicando início da investigação — Foto: Reprodução/TV Globo

Curi acrescentou que o armamento tinha como destino as mãos de criminosos da facção, e chegava a eles por meio de traficantes internacionais de armas. O material foi levado para a Cidade da Polícia, onde a polícia e o MP deram uma entrevista coletiva sobre a investigação.

Segundo o também delegado Pedro Brasil, a investigação em 2018 começou com informações de pessoas que atuavam dentro de comunidades e foi crescendo.

“Uma investigação muito difícil de ser feita, mas a gente foi conseguindo avançar e ir desbaratando os autores. A gente conseguiu entender a forma de atuar dessa organização criminosa. Começou com uma investigação pequena, com poucos alvos. Começou na comunidade do Salgueiro, de São Gonçalo, e o leque foi se abrindo”, disse.

Também de acordo com o delegado, a polícia descobriu que havia uma comunicação entre favelas e fornecedores de armas atendiam a várias delas. Os agentes conseguiram identificar os membros do grupo e o trabalho de três anos resultou na apreensão desses 26 fuzis, nesta terça.

O MP acrescentou que, ao entrar no Salgueiro, em 2018, agentes Delegacia de Combate às Drogas (DCOD) apreenderam drogas, aparelhos celulares e outros objetos.

O material passou por perícia e, por meio de interceptações telefônicas, os investigadores conseguiram identificar os integrantes de alguns núcleos de atuação do Comando Vermelho, além de entender as funções na hierarquia do tráfico.

De acordo com o MPRJ, “todos os 20 denunciados têm papel relevante de comando, gerenciamento ou de execução das atividades essenciais para o tráfico em favelas no Rio e na Região Metropolitana do estado.

A denúncia do Gaeco foi recebida pela Justiça e os mandados de prisão e busca e apreensão foram expedidos pelo Juízo da 1ª Vara Criminal de São Gonçalo.

Bala 40 preso em Goiás

 

Segundo o MP, Vitor Furtado, o Bala 40, foi preso na segunda-feira (24) em Goiás. Com ele, os investigadores dizem ter apreendido dentro de um utilitário outro arsenal: 10 mil munições de calibre 5,56 e 1 mil munições de calibre .308, todas para fuzis e carabinas.

“Chamou atenção o fato de que o Vitor se utiliza da possibilidade que a legislação faculta, de que colecionadores de armas possam comprar uma quantidade muito grande de armamentos para, com o auxílio da sua companheira e de outros elementos, traficar armas para o tráfico de drogas em comunidades do Estado [do Rio]”, afirmou promotor de Justiça Romulo Santos, do Gaeco.

 

Na denúncia do MP que deu início a operação, os promotores do Gaeco relatam que os criminosos se associaram para vender drogas em três pontos principais da Região Metropolitana do Rio:

  • Em São Gonçalo: Complexo do Salgueiro, complexo da Almerinda e Morro da Viúva e no bairro Jardim Catarina;
  • Em Niterói: Morro do Preventório;
  • E no Rio de Janeiro: Jacarezinho, Rato Molhado, Morro do Engenho, Manguinhos, Complexo do Lins, Parque União e Fallet-Fogueteiro.

 

Operação da Polícia Civil do Rio apreendeu 27 fuzis — Foto: Reprodução

Operação da Polícia Civil do Rio apreendeu 27 fuzis — Foto: Reprodução

Castro comemorou apreensão

 

Em suas redes sociais, o governador do Rio, Cláudio Castro (PL), comemorou a apreensão.

“Acabo de receber um telefonema do secretário Allan Turnowski informando que a Polícia Civil encontrou um arsenal com 27 fuzis dentro de uma casa no Grajaú. Parabéns Polícia Civil por impedir que essas armas de guerra chegassem às mãos de criminosos. Investigação, inteligência e ação!”, escreveu Castro.

 

você pode gostar também