BOZO COVARDE FILHO DA PUTA:Bolsonaro aprovou a ‘Declaração à Nação’ escrita por Temer na manhã seguinte aos atos de 7 de setembro


Bolsonaro durante protesto de 7 de Setembro na Avenida Paulista, em São Paulo — Foto: PAULO LOPES / AFP

Bolsonaro durante protesto de 7 de Setembro na Avenida Paulista, em São Paulo — Foto: PAULO LOPES / AFP

Depois do golpe frustrado do dia 7 de setembro, o presidente Jair Bolsonaro “acordou” da habitual insônia com ressaca cívica. Às 6h30 da manhã do dia 8, ele já estava pendurado no telefone com Michel Temer e ouviu o texto da carta de rendição. Aprovou os termos e na hora e combinou o almoço para acertarem os detalhes finais.

O leitor acha que Temer respondeu: “Ver-nos-emos logo mais”? Lógico que não. Temer é cuidadoso com quem não tem amplo repertório linguístico, como Bolsonaro, além de ser um ghostwriter caprichoso: evitou o uso de mesóclise e incluiu a expressão “esticar a corda” para deixar a carta com a cara de Bolsonaro

O texto começou a ser redigido na noite anterior por Temer com revisão do marqueteiro Elsinho Mouco.

Assim, Bolsonaro e Temer repetiram a mesma estratégia de 1999, quando Temer ajudou a salvar o mandato de Bolsonaro com a auxílio de uma carta também com um suposto arrependimento.

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro recorre a Temer e se retrata de ataques a ministros do STF

00:00/06:30

Bolsonaro recorre a Temer e se retrata de ataques a ministros do STF

você pode gostar também