Chefe de quadrilha que furtava gado em grandes fazendas é preso; grupo teria conseguido acesso aos rebanhos após fazer amizade com vaqueiros

Por G1 Tocantins

 


Um homem de 28 anos foi preso durante uma operação que investiga furto de gado em várias propriedades rurais da região sul do Tocantins. De acordo com a Polícia Civil, ‘Gordinho’, como era conhecido, seria o chefe da quadrilha. Para ter ajuda de funcionários das fazendas invadidas, o homem fazia amizade com vaqueiros e prometia pagá-los com parte do lucro que conseguia com a venda dos animais furtados.

O investigado foi localizado e detido nesta quarta-feira (5), em Uruaçu (GO), durante a operação ‘Apolo’, da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR). Ele deve ser recambiado para um presídio de Gurupi ainda nesta quinta-feira (6).

O homem seria o “mentor intelectual de um grupo de pessoas que, há anos, vem cometendo diversos furtos de cabeças de gado”. Segundo a polícia, crimes comandados por ‘Gordinho’ já foram registrados em Gurupi, Figueirópolis, Alvorada, Cariri e Formoso do Araguaia.

O delegado Rossílio Correia explicou que a quadrilha sempre tinha ajuda do vaqueiro da fazenda furtada. O grupo procurava agir em propriedades com grande número de cabeças de gado e pouco controle na contagem. Quando os donos descobriam os furtos, já haviam se passado dias ou meses.

Durante as investigações, que começaram há meses, foram encontradas conversas que mostram o planejamento e execução de crimes na região. (Veja abaixo como o grupo agia)

A última atuação da quadrilha foi no dia 27 de fevereiro deste ano em uma fazenda de Figueirópolis. Segundo a polícia, a quadrilha contou com a ajuda do vaqueiro da propriedade vizinha para 33 animais de um fazendeiro. O dono estava viajando quando o crime aconteceu. O funcionário confessou a participação no furto e entregou os comparsas no crime.

Durante a operação foram identificadas cinco integrantes do esquema criminoso, sendo um morador de Gurupi, um de Cariri, um de Figueirópolis e dois em Alvorada.

‘Gordinho’ já possuía, na ficha de antecedentes criminais, processos por furto de gado. Ele será indiciado por furto qualificado e formação de quadrilha.

A ação também contou com apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Uruaçu, da 7º Delegacia Regional de Polícia Civil de Gurupi, policiais civis de Cariri do Tocantins, agentes da 89ª Delegacia de Gurupi e do Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE).

O inquérito policial será concluído ainda esta semana e encaminhado ao Poder judiciário.

Como a quadrilha agia

 

As investigações apontam que ‘Gordinho’ sempre coordenava as ações criminosas. “Antes de furtar o gado, o chefe do grupo fazia contato e amizade com funcionários de fazendas e se comprometia a pagar um percentual do gado a ser furtado, que girava em torno de 30% a 40% do total do valor dos animais”, explicou o delegado Rossílio.

O grupo ainda escolhia um dia chuvoso e uma data em que o proprietário não se encontrasse na fazenda e, com a ajuda do vaqueiro, que se tornava comparsa, colocavam o gado furtado no curral da própria fazendo ou da área de um vizinho.

Depois que os animais estavam separados e presos, ‘Gordinho’ entrava em contato com um caminhoneiro que transportava o gado. Depois, com uso de notas fiscais falsas, os animais eram revendidos a receptadores da região.

Também foi apurado que muitos animais furtados eram revendidas em um açougue de Gurupi.

você pode gostar também