Este aqui é o livro “misterioso” que o Bolsonaro levou ao Jornal Nacional

Este aqui é o livro “misterioso” que o Bolsonaro levou ao Jornal Nacional

Não, o livro não foi comprado pelo MEC. Sim, ele tem imagens um tanto explícitas. Conheça por si mesmo a história do livro mais falado do dia.

Um livro infantil conseguiu ser mais polêmico do que os debates sobre segurança pública, emprego e até as menções a casamentos e divórcios numa entrevista a presidenciável. O candidato Jair Bolsonaro (PSL-RJ) foi ao Jornal Nacional, na última terça (28), munido desse misterioso título – que ele foi impedido de mostrar, por conta das regras internas do telejornal.

Trata-se de Aparelho Sexual e Cia., publicado pela Companhia das Letras. Vamos ver, então, o que seria tão pervertido e pornográfico ali.

Essa imagem aqui saiu de um fórum de discussão, em francês, que também debate livros infantis sobre sexo. Sim, ela é “interativa”. A criação original do tão demonizado conteúdo infantil é francesa – escrita pela autora Hélène Bruller e o cartunista Zep. Bem ao estilo de cartunistas de jornal, o livro não é politicamente correto, nem foca nos aspectos biológicos da educação sexual. Na verdade, ele é cheio de fatos curiosos e perguntas sinceras que surgem quando o tema é sexo – de explicar qual foi o maior bebê que já nasceu a descrever o que é uma ejaculação. Mas também passa por momentos que deixariam alguns pais meio constrangidos (como explicar o que é o Kama Sutra).

E coroa tudo com um título bem mais simpático que o nosso: Le Guide du zizi sexuel – ou, simplesmente, o Guia Sexual do Pipi (ou Pingulin, vai saber como dizem na sua casa).

O personagem principal que guia o leitor ao longo da história é a criação mais famosa do artista Zep, um menininho chamado Titeuf (ou Tootuff, em inglês). O que você provavelmente não sabe é que o Titeuf é famoso no mundo francês, ganhou até desenho animado na TV para crianças. O que seria quase igual a ter um livro de educação sexual sincerão narrado para as crianças pelo Menino Maluquinho do Ziraldo.

Sabemos, porém, que você pode ter pulado tudo até aqui para ver mais imagens internas do livro. Então vamos a elas:

 (Reprodução/YouTube)

Uma youtuber francesa (que está, ironicamente, de boina!) folheia o livro abaixo, caso você queria imagens a mais.

 (Amazon/Reprodução)

Veja também

Falando sério

Tudo esclarecido quanto a origem do livro mais falado do dia, é preciso terminar falando sério – e desmentindo a informação de que a obra estaria sendo distribuída pelo governo escolas afora, ensinando sobre sexo de uma forma que talvez não agrade a alguns pais.

No vídeo original em que menciona o livro, Bolsonaro afirma que ele estaria sendo entregue nas escolas pelo Ministério da Educação. O MEC correu para desmentir a informação, lá em 2016, deixando claro que não tinha nada a ver com o livro.

Foi uma troca de alhos com bugalhos. Algumas bibliotecas receberam o livro, publicado em português pela Companhia das Letras, que foi comprado pelo Ministério da Cultura. É o caminho que boa parte dos livros, polêmicos ou não, percorre até chegar a uma biblioteca pública. Um caminho normal, e necessário – que nada tem a ver com escolher pelos pais como eles devem falar aos filhos sobre sexo.

Em caso de dúvida, porém, sobre como guiar essa conversa difícil… Você sempre pode recorrer a um livro.

você pode gostar também