Focco solicita ao TCE edição de instruções normativas para aprimorar controle de gastos com combustíveis e ordens de pagamento

Focco solicita ao TCE edição de instruções normativas para aprimorar controle de gastos com combustíveis e ordens de pagamento

A necessidade de controle dos gastos com combustíveis e da ordem cronológica dos pagamento das despesas realizadas pelas prefeituras e pelas câmaras municipais levou o coordenador do Fórum Tocantinense de Combate à Corrupção (Focco), promotor de Justiça Vinícius de Oliveira e Silva, a se reunir, nesta sexta-feira, 12, com o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Severiano Costandrade, e com o procurador-geral de Contas (MPC), Zailon Miranda.

Na ocasião, o promotor de Justiça entregou dois ofícios, que solicitam ao TCE a edição de instruções normativas específicas sobre os temas relacionados.

O primeiro ofício tem a finalidade de que os gestores sejam alertados sobre as consequências dos desvios e mau uso de valores destinados ao pagamento de combustíveis; o segundo ofício é sobre a importância dos entes da administração pública observarem o princípio da impessoalidade, de modo que se evite favorecimentos indevidos de fornecedores, no que se refere à ordem cronológica dos pagamentos.

O promotor de Justiça justificou que auditorias do Tribunal de Contas e investigações do Ministério Público em casos concretos apontaram excessos de gastos e até uso particular de combustível pago com recursos públicos. Ele citou o exemplo do Tribunal de Contas do Rio Grande do Norte, que editou instrução normativa em que sugere, entre outras medidas, a utilização do sistema de gerenciamento de frotas (cartão de abastecimento), controle que é adotado em órgãos federais e estaduais.

Evidencia-se também, segundo ele, prática recorrente dos gestores em relação ao desrespeito ao princípio da impessoalidade, quando escolhem qual pagamento efetuar, em desacordo da ordem de contratação, fato que tem levado tribunais de contas no Brasil a reforçar o controle por meio de instruções normativas.

Por parte do Focco, assinaram os ofícios o procurador da República Paulo Rubens Carvalho Marques; o consultor jurídico da União no Tocantins, André Luís Rodrigues de Souza; a diretora geral de Controle Externo, Dênia Maria Almeida Soares; os delegados de polícia Guilherme Rocha Martins e Luciano Barbosa Cruz; o auditor federal de Finanças e Controle, Leandro da Cruz; o procurador-geral de Contas, Zailon Miranda Labre; e o secretário-chefe da Controladoria Geral do Estado, Senivan Almeida de Arruda.

Composição do Focco-TO

O Fórum Permanente de Combate à Corrupção no Estado do Tocantins é composto pelo Ministério Público Estadual, Ministério Público de Contas, Ministério Público Federal, Controladoria Geral da União, Advocacia-Geral da União, Controladoria Geral do Estado do Tocantins, Tribunal de Contas da União, Tribunal de Contas do Estado do Tocantins, Polícia Federal, Receita Federal, Tribunal de Justiça e Delegacia de Repressão ao Crimes de Maior Potencial Contra a Administração Pública. (Denise Soares)

você pode gostar também