Palmas terá 10 unidades de saúde exclusivas para vacinação de crianças; veja lista de prioridades

 


Primeiro lote de vacinas pediátricas contra a Covid chega ao Tocantins — Foto: Mariana Ferreira/Secretaria Estadual de Saúde

Primeiro lote de vacinas pediátricas contra a Covid chega ao Tocantins — Foto: Mariana Ferreira/Secretaria Estadual de Saúde

A prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSDB), publicou nesta sexta-feira (14) as primeiras informações sobre como será feita a vacinação contra Covid-19 em crianças. Segundo ela, serão reservadas 10 unidades de saúde exclusivas para vacinar o público de 5 a 11 anos. Antes de receber a vacina os responsáveis pelos menores deverão fazer um cadastro pela internet.

O primeiro lote de vacina pediátricas da Pfizer chegou ao Tocantins na manhã desta sexta-feira (14). São 10,7 mil doses que serão dividas entre os 139 municípios e aplicadas em grupos prioritários. A vacinação deve começar na próxima semana.

Em Palmas a vacinação será feita mediante um cadastro e agendamento pela internet. Em uma rede social, a prefeita afirmou que o plano de vacinação do município está pronto e aguarda liberação das doses pelo governo estadual.

LEIA TAMBÉM

“Temos como público alvo 29.259 crianças entre 5 e 11 anos de idade. Reservamos 10 unidades de saúde exclusivamente para vacinação e acompanhamento dos nossos pequenos. O agendamento está disponível no VacinaJá. Não vamos perder tempo”, publicou.

Informações foram postadas no tuiter — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Informações foram postadas no tuiter — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Cinthia Ribeiro também afirmou que após a vacinação as crianças deverão ficar por um tempo na unidade de saúde.

“Não é recomendado vacinação das crianças fora das unidades de saúde, por isso eventos drive thru, em escolas ou campanhas específicas estão suspensos. É recomendado a criança permanecer 15 min na UBS após a vacina e não tomar nenhum outro imunizante em 15 dias”, explicou.

No ato da vacinação os pais deverão apresentar documento de identidade, CPF ou certidão de nascimento da criança, além do termo de consentimento disponível no site ou na unidade de saúde e o cartão de vacinação.

O município também divulgou a lista de prioridades para receber a vacina infantil contra Covid-19:

  • Asma
  • Diabetes Mellitus
  • Deficiência Permanente
  • Doenças Degenerativas
  • Anemia Falciforme
  • Paralisia Cerebral
  • Insuficiência Cardíaca
  • Cardiopatia Hipertensiva
  • Síndromes Coronarianas
  • Obesidade Graus II ou III
  • Valvopatias
  • Imunossuprimidos
  • Cor-Pulmonale e Hipertensão Pulmonar
  • Próteses Valvares e Dispositivos Cardíacos
  • Doença Neurológicas Crônicas que Impactam na Função Respiratória
  • Hipertensão Arterial
  • Doenças da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas Arteriovenosas
  • Hemoglobinopatias Graves
  • Insuficiência Renal
  • Insuficiência Hepática
  • HIV
  • Câncer
  • Patologias Reumáticas e em uso de Imunossupressores
  • Deficiências Motoras, Sensoriais e Cognitivas
  • Transtorno do Espectro Autista
  • Síndrome de Down e demais Síndromes Genéticas

 

Vacinação infantil

 

Veja como vai funcionar a vacinação de crianças contra Covid

–:–/–:–

Veja como vai funcionar a vacinação de crianças contra Covid

De acordo com o governo federal, a vacinação infantil ocorrerá da seguinte forma:

  • Em ordem decrescente de idade (das crianças mais velhas para as mais novas), com prioridade para quem tem comorbidade ou deficiência permanente e para crianças quilombolas e indígenas;
  • Sem necessidade de autorização por escrito, desde que pai, mãe ou responsável acompanhe a criança no momento da vacinação;
  • Com intervalo de oito semanas – um prazo maior que o previsto na bula, de três semanas.

 

A vacina para crianças de 5 a 11 anos tem diferenças em relação à aplicada em adolescentes e adultos. Por isso, o governo federal adquiriu uma versão específica do produto com dosagens e frascos diferentes (foto acima), apesar de o princípio ativo ser o mesmo.

A mesma autorização de uso já foi concedida pelo FDA e pela EMA (agências regulatórias de saúde dos Estados Unidos e União Europeia).

Em outubro de 2021, a Pfizer disse que a vacina é segura e mais de 90,7% eficaz na prevenção de infecções em crianças de 5 a 11 anos. O estudo acompanhou 2.268 crianças de 5 a 11 anos que receberam duas doses da vacina ou placebo, com três semanas de intervalo.

Frascos da vacina da Pfizer em versão pediátrica (laranja) e a partir dos 12 anos (roxa) — Foto: Tobias Schwarz/AFP

Frascos da vacina da Pfizer em versão pediátrica (laranja) e a partir dos 12 anos (roxa) — Foto: Tobias Schwarz/AFP

Veja mais notícias da região no g1 T

você pode gostar também