Por 6 a 3, Suprema Corte dos EUA decide pela vida

Banner Pix

Por 6 a 3, Suprema Corte dos EUA decide pela vida

Por 6 votos contra 3 a Suprema Corte, quase meio século depois, reverte decisão de 1973 e os Estados norte-americanos podem votar leis restritivas ao “direito” de abortar. Espera-se que pelo menos 24 Estados adotem legislação nesse sentido.

Já em 1973 a questão dividia a opinião pública dos EUA. De lá para cá, milhões de fetos foram dispensados como lixo humano, num verdadeiro genocídio.

Enquanto isso, aqui no Brasil, uma menina de 11 anos consegue abortar um bebê de 24 semanas, apesar de determinação em contrário da juíza do caso, com base no precipitado atendimento de uma recomendação do Ministério Público Federal. Aqui como lá, a mídia tutora da opinião pública  defende o aborto e reprova a juíza brasileira e os justices da Suprema Corte.

Aqui como lá, os defensores do aborto confundem motivos pessoais com razões da razão sem perceber que motivos pessoais podem ser atenuantes ou agravantes de um homicídio, mas não são autorizações para matar.

Grupos humanos, em condições selvagens e primitivas de vida, têm o habito cultural de matar seus bebês do sexo feminino ou portadores de anomalias. Veem essas condições como motivos, mas parece difícil encontrar em ambiente civilizado quem se disponha a “militar” em favor da preservação desse direito.

“Vivendo e aprendendo”, afirma um antigo chavão. Vivendo, a gente aprende o quanto o interesse próprio é determinante de “argumentos” que não se sustentam perante princípios como o do direito à vida, ou à liberdade, ou à propriedade, que sequer seriam contestados em ausência do interesse próprio…

O presidente Biden qualificou a decisão da Suprema Corte como “erro terrível”, o que transforma um amontoado de fetos humanos, depositados em lata de descarte hospitalar, num soberbo acerto.

Foto de Percival Puggina

Percival Puggina

Membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. Integrante do grupo Pensar+.

você pode gostar também