ERIKA A MENINA TRISTE-UMA HISTÓRIA REAL SOBRE A POSSE DE ARMAS

Conheci Erika em Goiania em 1986,era linda,branca  e loira,tinha um metro e setenta e corpo esbelto e ideias brilhantes.

Eu era cabo da Policia Militar de Goiás e trabalhava na Cavalaria no sistema 24 por  48 com 12 horas de SPO.

Todo os dias quando eu chegava em casa,ficava um pouco com minha esposa pois não tinhamos filhos ainda, e depois  ia  da Unidade 201 para 402 no setor Parque ATHENEU,o maior bairro da América Latina.

A casa de minha irmã Ana ficava ao lado da casa do pai da Érika que era  chefe da CELG as centrais eleétricas do estado de Goiás.Era um cara moreno,forte e alto e usava um revolver calibre 38,e não falava com ninguém.

Minha irmã Ana era empresária do ramos de petrõleo pois transportava petróleo, e transportavba para a HUDSON  do Brasil.

Eu sempre gostei muito de minha irmã ANA MARIA que  é linda,meiga e cozinha muito bem e me criou.

Todas as vezes que ia na casa de minha irmã ANA encontrava-me com ERIKA,que pedia para conversar papos  sobre psicologia,namoro,religião e história.ERIKA tinha a cabeça muito evoluida pra sua idade e discutiamos ARTUR SCHOPENHAUER,SAIAMOS PARA TOMAR SORVERTE E JOGAR BOLA,ela jogava bola.

ÉRIKA tinha 16 anos e  eu tinha 19 e sempre tinhamos muitos amigos que estudavam no colégio CARLOS CHAGAS,onde eu estudei o segundo e terceiro ano do ensino médio.

O pai da ERIKA era machão goiano e não conversava com ninguém e batia muito  em sua filha e não a deixava sair pra nenhum lugar ou baladas.

O cara bebia muito  nos finais de semana e ficava louco dentro de sua casa que era mui bacana para os padrões  da época.

Eu sempre questiona a ERIKA se o pai dela a tratava bem,pois eu era CABO PM e poderia acionar as autoridades contra o agressor, mas ela dizia que tudo ia bem.E quando conversavamos ela chorava muito e colocava a cabeça em meu ombro.

Um triste dia chegeuei do Quartel da CAVALARIA Regimento de Policia Montada, e fui direto pra casa de minha irmã fardado e armado como saira do quartel.Ao chegar vi multidões na porta da ERIKA,o pai dela chorando e a mãe dela desmaiada.então chamei o serviço de emergência e fui registrar ocorrência.

O pai de ERIKA me qustionou muito pois ela se abrira apenas comigo e deixou uma carta pro carinha:

Caro carinha,te amo e estou indo embora,obrigado por me suportar e ter sido meu melhor amigo,eu não suporto mais essa VIDA ,estou presa e não sou feliz.Valeu carinha,cuide-se.

Chorei muito ao ler a carta da pequena ERIKA e fiquei dias e dias sem me alimentar direito e dormir.

O pai de ERIKA depois do episódio se tornou meu amigo e me respeitava muito,e desbafou comigo,dizendo que sempre deixava o revólver 38 em cima do guarda roupa e um triste dia saiu pra trabalhar e sua esposa foi dar aulas e ela ficou sozinha,ouviu muitas músicas internacionais e dançou.Quando de repente escutaram um estouro, e la se vai a bela ERIKA!

Ela atirou contra a própria cabeça e morreu, e eu me arrependi muito por  não ter ido conversar com ERIKA  naquele dia.

ARMAS SÃO PERIGOAS QUANDO USADAS POR PAIS VIOLENTOS E IGNORANTES.A ERIKA UMA FUTURA CIENTISTA FOI EMBORA CEDO E EU FIQUEI TRAUMATIZADO E TRISTE.

ANTONIO GUIMARÃES

você pode gostar também