Coreia do Norte muda cúpula militar antes de reunião com Trump

Coreia do Norte muda cúpula militar antes de reunião com Trump

Ditador Kim Jong-un afastou os três nomes mais graduados das Forças Armadas do país

SEUL e WASHINGTON

Em uma tentativa de fortalecer seu controle sob o Exército norte-coreano, o ditador Kim Jong-un decidiu mudar a cúpula das Forças Armadas do país e afastou seus três militares mais graduados.

A medida, anunciada nesta segunda (4) pela imprensa sul-coreana, acontece em um momento que Kim se prepara para o encontro que terá com o presidente americano Donald Trump em 12 de junho em Singapura.

Citando uma fonte de inteligência oficial, a agência sul-coreana Yonhap disse que os três afastados foram Pak Tonk-sik (chefe da Defesa), Ri Myong-su (que comandava o Estado-Maior das Forças Armadas) e Kim Jong-gak (responsável pelo comando político dos militares) —este último foi o único que teve a saída confirmada pela imprensa oficial de Pyongyang.

Eles foram substituídos respectivamente por No Kwang-chol, (até então primeiro vice-ministro das Forças Armadas), Ri Yong-gil (que era vice de Ri Myong-su) e pelo general do Exército Kim Su-gil. Não foi divulgado qual o destino dos três afastados.

Uma autoridade dos EUA que falou sob condição de anonimato à agência Reuters, confirmou a troca do comando militar.

A motivação de Kim ainda não é clara, mas analistas disseram que a reformulação permite a ele e ao Partido dos Trabalhados da Coreia endurecer o controle sobre as Forças Armadas em um momento crítico de engajamento internacional e desenvolvimento doméstico.

“Se Kim Jong-un estiver determinado a fazer as pazes com os EUA e a Coreia do Sul e abdicar pelo menos de parte do programa nuclear, terá que colocar a influência do Exército em uma caixa e mantê-la ali”, disse à Reuters Ken Gause, diretor do Grupo de Assuntos Internacionais da CNA, uma organização de pesquisa e análise sem fins lucrativos.

“Essa reformulação trouxe ao primeiro plano as autoridades capazes de fazer exatamente isso. Elas são leais a Kim Jong-un e ninguém mais”, afirmou o analista.

Trump ressuscitou na sexta-feira (1º) a cúpula de Singapura, que havia cancelado uma semana antes.

Washington está buscando um fim negociado para o programa de armas nucleares norte-coreano, e autoridades dos EUA acreditam ter surgido alguma discórdia entre os militares a respeito das abordagens de Kim para Seul e os EUA.

Trump quer que a Coreia do Norte se desnuclearize, livrando-se de seu arsenal nuclear, em troca da suspensão das sanções econômicas.

Enquanto parte dos militares vê o arsenal como crucial para sua sobrevivência, o ditador disse que planeja se concentrar no desenvolvimento econômico.

você pode gostar também