Banner Assembleia

EUA vetam proposta de cessar-fogo do Brasil no Conselho de Segurança da ONU

Banner Pix

EUA vetam proposta de cessar-fogo do Brasil no Conselho de Segurança da ONU

Joe Biden e Benjamin Netanyahu

CRÉDITO,EVELYN HOCKSTEIN/REUTERS

Legenda da foto,Estados Unidos e Israel são aliados históricos; Israel e Hamas trocaram acusações sobre autoria de explosão em hospital, que matou pelo menos 500 pessoas

Os Estados Unidos, aliados de Israel, vetaram nesta quarta-feira (18/10) um texto proposto pelo Brasil no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Doze países votaram a favor da proposta brasileira, entre eles China, França e Emirados Árabes Unidos.

Dois países, Rússia e Reino Unido, se abstiveram na votação.

O Brasil propôs uma pausa humanitária no conflito entre Israel e o Hamas. O conflito já matou mais de 5 mil pessoas – cerca de 4 mil palestinos e 1,3 mil israelenses durante o ataque do Hamas no dia 7 de outubro.

Para qualquer proposta ser aprovada no Conselho de Segurança da ONU, ela precisa de pelo menos nove votos dos 15 países membros do órgão.

Pule Matérias recomendadas e continue lendo

Matérias recomendadas
  • Mesquita destruída
    Conflito Israel-Hamas: Gaza ‘ficará sem combustível, remédios e alimentos em breve’, dizem autoridades palestinas
  • pacientes em clínica de Gaza
    O que se sabe sobre explosão em hospital de Gaza que deixou centenas de mortos
  • Julia Braun
    Por que Hamas decidiu atacar Israel agora?
  • Erez e Sahar
    Reféns em mãos do Hamas são maior dilema de Israel na ofensiva em Gaza

Fim do Matérias recomendadas

Também não pode ter nenhum veto. Apenas cinco países têm esse direito de vetar um texto: Estados Unidos, China, Rússia, Reino Unido e França.

Por causa desse dispositivo, o veto americano fez com que a proposta do Brasil fosse rejeitada.

Fim do Podcast

A embaixadora americana na ONU, Linda Thomas-Greenfield, disse que a proposta foi vetada por não citar o direito de Israel de se defender.

Os EUA costumam defender os interesses israelenses no Conselho de Segurança.

O Brasil lamentou o resultado.

“Tristemente, muito tristemente, o conselho mais uma vez não conseguiu adotar uma resolução. Silêncio e inação prevaleceram, para o interesse de longo prazo de ninguém”, afirmou o embaixador do Brasil na ONU, Sérgio Danese.

Segundo Danese, o Brasil fez um “esforço para acomodar as posições diferentes, às vezes opostas”, com o intuito de buscar uma solução para a crise humanitária em Gaza.

A rejeição da proposta brasileira frustra a tentativa do governo Lula de influenciar nos rumos do conflito. Em 11 de outubro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu no X (antigo Twitter) “uma intervenção humanitária internacional” no conflito.

“O Brasil, na presidência provisória do Conselho de Segurança da ONU, se juntará aos esforços para que cesse de imediato e em definitivo o conflito”, afirmou.

Para Cristina Pecequilo, professora de relações internacionais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o resultado da votação representou “uma vitória” para a diplomacia brasileira Brasil, apesar do veto. Ela destaca o amplo apoio, inclusive de dois membros permanentes (França e China), e ressalta o fato de os EUA terem ficado isolados no veto.

Ela, porém, se mostra pessimista sobre novos progressos quanto ao conflito entre Israel e Palestina dentro do Conselho de Segurança.

“Os Estados Unidos têm vetado repetidamente resoluções que envolvam questões de Israel, questões do Oriente Médio. Qualquer resolução que não permita a Israel uma margem de manobra plena vai ser vetada pelos Estados Unidos. Então esse veto norte-americano era bastante esperado”, ressalta.

“O resultado da votação demonstra que, geopoliticamente, existe hoje uma pressão dos países sobre a situação de Israel e que, de certa forma, esse eixo bilateral Estados Unidos-Israel está num ritmo e o resto do mundo está em outro”, acrescentou.

Na avaliação do professor de Relações Internacionais da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Dawisson Belém Lopes, o Brasil fez “um papel muito honroso” como presidente do Conselho de Segurança e conseguiu “um resultado muito bom”.

“Com exceção dos Estados Unidos, o Brasil conseguiu convencer os outros treze países. O Brasil conseguiu convencer a Rússia a não vetar, conseguiu convencer o Reino Unido a não vetar e conseguiu onze votos afirmativos dos demais países de Europa, de África, de América Latina e de Oriente Médio”, ressaltou.

“Agora, o que fica claro é que o jogo já estava jogado antes. Como disse o representante da China, o Estados Unidos ficaram em silêncio por 24 horas. Não quiseram negociar”, disse ainda.

Para Belém, o governo americano quer restringir os atores envolvidos na gestão do conflito, limitando às negociações a EUA, Arábia Saudita e ao secretário-geral da ONU, António Guterres.

“Os Estados Unidos têm essa estratégia, vão levar até o final, de proteger Israel e de transformar a gestão desse conflito em algo que passe pelo filtro dos Estados Unidos necessariamente”, reforça.

Analistas internacionais ouvidos pela BBC News Brasil se dividem entre “uma tensão” ou mesmo “dois pesos e duas medidas” na posição americana em relação a Israel e à Ucrânia.

“É uma questão complicada. Os EUA afirmaram que os assentamentos israelenses são um obstáculo à paz. Não com frequência, mas ao menos em algumas ocasiões, os americanos permitiram a aprovação de resoluções do Conselho de Segurança da ONU em condenação aos assentamentos como violações do direito internacional, ou seja, não exerceram seu poder de veto”, disse à BBC News Brasil Allen Weiner, professor de direito internacional da Universidade Stanford.

Mais pressão sobre Biden

O veto americano à proposta brasileira também amplia a pressão sobre o governo de Joe Biden, que chegou nesta quarta-feira (18/10) a Israel e se reuniu com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Os dois países são aliados históricos. Israel recebeu mais ajuda externa dos EUA do que qualquer outro país desde a 2ª Guerra Mundial — no ano passado, foram destinados mais de US$ 3,3 bilhões (R$ 16,6 bilhões) em recursos.

Biden renovou a promessa de apoio a Netanyahu e disse que a explosão na noite de terça-feira (17/10) em um hospital em Gaza “parece” ter sido causada “pelo outro time”, em alusão ao Hamas, grupo militante palestino que controla a Faixa de Gaza.

O presidente americano acrescentou que está “profundamente triste e indignado” com o incidente.

“Com base no que vi, parece que foi feito pelo outro time, não por você. Mas há muitas pessoas por aí que não têm certeza, então temos que superar muitas coisas”, disse Biden.

O presidente americano também afirmou, no entanto, que Israel passaria a permitir que ajuda humanitária entrasse pela passagem de Rafah, no Egito.

Já Netanyahu falou que “o mundo civilizado deve unir-se para derrotar o Hamas”, da mesma forma que fez quando enfrentou o ISIS (grupo autodenominado Estado Islâmico).

“Vamos derrotar o Hamas e eliminar esta terrível ameaça das nossas vidas”, acrescentou o premiê israelense, dizendo que não é apenas para o bem do seu país, mas para o bem de todos.

Ele chamou Biden de “verdadeiro amigo” e elogia sua decisão “profundamente comovente” de visitar Israel durante a guerra.

“Sei que falo pelo povo de Israel quando digo obrigado”, acrescentou Netanyahu, antes de Biden começar a falar.

Israel sustenta que a explosão foi causada por um foguete disparado por militantes palestinos.

Segundo as Forças de Defesa de Israel (IDF), evidências indicam que um foguete da Jihad Islâmica, grupo extremista aliado ao Hamas, disparado de um cemitério, caiu no estacionamento do hospital.

Já o Hamas, as autoridades palestinas e outros países árabes culpam Israel pela explosão, que teria matado 500 pessoas.

Israel vem realizando ataques aéreos contra alvos em Gaza desde os ataques do Hamas em 7 de outubro.

O IDF afirma que, desde então, pelo menos 450 foguetes foram disparados do território.

A explosão no hospital mudou completamente o cronograma da viagem de Biden.

O presidente americano deveria viajar para a Jordânia após se encontrar com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu; ali se reuniria com o rei Abdullah, da Jordânia, o presidente Abdul Fattah al-Sisi, do Egito, e o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas.

No fim da noite de terça-feira, no entanto, o chanceler da Jordânia disse que a reunião só poderia ser realizada quando as partes concordassem em acabar com a “guerra e os massacres contra os palestinos”, culpando Israel pela explosão no hospital.

Homem ferido carregado em maca

CRÉDITO,REUTERS

Legenda da foto,O hospital Al Ahli Arab, financiado pela Igreja Anglicana, abrigava feridos pelos ataques aéreos de Israel nos últimos dias

Troca de acusações

No X (antigo Twitter), Netanyahu escreveu: “Uma análise dos sistemas operacionais das IDF (Forças de Defesa de Israel) indica que uma barragem de foguetes foi disparada por terroristas em Gaza, passando nas proximidades do hospital Al Ahli em Gaza no momento em que foi atingido”.

“Múltiplas fontes que temos em mãos indicam que a Jihad Islâmica é responsável pelo lançamento fracassado do foguete que atingiu o hospital em Gaza”, publicou o primeiro-ministro israelense.

A Jihad Islâmica, aliada do Hamas na Faixa de Gaza, negou ter participação no episódio.

Opositor do Hamas, o presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, classificou a explosão como um “horrível massacre de guerra”. Para ele, Israel “ultrapassou todas as linhas vermelhas.”

Mais de 1,3 mil pessoas foram mortas em Israel no fim de semana passado, quando combatentes do Hamas cruzaram a fronteira para atacar civis e soldados, segundo as Forças de Defesa israelenses.

Mais de 3,3 mil pessoas foram mortas na campanha de bombardeio de Israel na Faixa de Gaza, lançada na sequência, dizem as autoridades palestinas.

Imagens do hospital Al Ahli Arab mostram cenas de caos — com vítimas ensanguentadas e mutiladas sendo levadas às pressas em macas.

Corpos e veículos destruídos podem ser vistos nos escombros espalhados pela rua.

Vídeos compartilhados pela internet, ainda não confirmados pela BBC, mostram uma grande explosão pouco antes.

Centenas de pessoas feridas estavam abrigadas em um corredor nas dependências do hospital, segundo moradores da região.

Autoridades da defesa civil dizem que a explosão foi resultado de um ataque aéreo israelense e que centenas de pessoas estão presas nos escombros.

O gabinete de comunicação social do governo do Hamas em Gaza classificou o incidente ao hospital como um “crime de guerra”.

“O hospital atendia centenas de doentes e feridos, e pessoas deslocadas à força das suas casas”, afirmou o Hamas.

O comunicado diz que “centenas de vítimas ainda estão sob os escombros”.

Homem sendo carregado em maca

CRÉDITO,REUTERS

Legenda da foto,Explosão teria deixado pelo menos 500 mortos, segundo autoridades paletinas

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que “condena veementemente” a situação no Hospital Al Ahli Arab.

Ele disse que os primeiros relatos indicam centenas de mortos e feridos no local.

“Pedimos a proteção imediata dos civis e dos cuidados de saúde, e que as ordens de evacuação sejam revertidas”, postou ele no X.

O hospital Al Ahli Arab é financiado pela Igreja Anglicana, e Richard Sewell, reitor do St George’s College — uma das principais figuras da igreja em Jerusalém — que postou nas redes sociais que “nosso hospital, o hospital Ahli Arab, foi atingido diretamente por um míssil israelense”.

Ele afirmou que centenas de mulheres e crianças foram mortas, e chamou o ato de “assassinato deliberado de civis vulneráveis”.

“As bombas devem parar agora. Não pode haver nenhuma justificativa possível para isso”, disse Sewell.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) comentou o caso em comunicado. A entidade disse estar “chocada e horrorizada” com os relatos da explosão.

“Os hospitais deveriam ser santuários para preservar a vida humana, e não cenas de morte e destruição”, afirmou a Cruz Vermelha.

“Nenhum paciente deveria ser morto em uma cama de hospital. Nenhum médico deveria perder a vida enquanto tentava salvar outras pessoas. Os hospitais devem ser protegidos pelo direito humanitário internacional”, complementou a instituição.

Comentários
você pode gostar também