Obstetriz de 27 anos é morta com 16 facadas; namorado é suspeito

 

São Paulo, 19 de maio de 2018

Carta de repúdio da Associação de Alunos e Egressos do Curso de Obstetrícia da USP (AO-USP) ao Feminicídio de Nelly Venite: mulher, obstetriz, feminista e ativista pelos direitos das mulheres

Nelly, nós, mulheres, parteiras, obstetrizes, ativistas pelos direitos humanos, estamos em luto. Conhecíamos sua história, sua luta pela humanização da assistência ao parto no Brasil, pelo fim da violência obstétrica e sonhávamos juntas com o ideal de uma so

Ver mais

Obstetriz de 27 anos é morta com 16 facadas; namorado é suspeito

Alunos do curso de Obstetrícia da Universidade de São Paulo (USP), onde a vítima estudou, divulgam carta de repúdio e pedem apuração rigorosa de feminícidio

A obstetriz Nelly Cristina Venite de Souza Maria, de 27 anos, foi assassinada com 16 facadas, neste sábado, 19, na quitinete em que morava, em Conchal, interior de São Paulo. O suspeito do crime é o namorado da jovem, que morava em frente e está foragido. Ele foi visto fugindo do local do crime, no bairro Porto Seguro, usando o carro da vítima. A Polícia Civil trata o caso como de feminicídio e está à procura do suspeito, que não teve o nome divulgado.

Conforme o relato de uma vizinha, ela ouviu gritos de socorro vindo do apartamento de Nelly e entrou em contato com a Polícia Militar. Antes da chegada dos policiais, os gritos cessaram e o suspeito deixou o apartamento e pegou o automóvel dela para fugir do local. Segundo as testemunhas, havia um outro rapaz no carro. Os policiais encontraram Nelly já morta, com ferimentos na cabeça, tórax e braços. Ela também tinha sinais de estrangulamento. O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Limeira.

 

Alunos do curso de Obstetrícia da Universidade de São Paulo (USP), onde Nelly se formou, usaram as redes sociais para manifestar pesar pela morte e repudiar o crime. Conforme a postagem, Nelly tinha uma história de luta pela humanização do parto. “A dor que sentimos hoje pelo crime de feminicídio que interrompeu sua vida também é a dor pela perda de uma companheira, ativista que fortaleceu o ideal de uma profissão que luta pelo fim da desigualdade de gênero e da violência contra mulheres”, diz a carta, assinada pelo Associação de Alunos e Egressos do Curso de Obstetrícia da USP e pela Casa Angela – Centro de Parto Humanizado.

Nelly trabalhava no Hospital e Maternidade Madre Vannini, em Conchal. A obstetriz é uma profissional graduada para acompanhar gestações, partos e pós-parto de risco habitual ou baixo risco.

Leia abaixo a carta de repúdio da associação de alunos de Obstetrícia da USP:

você pode gostar também